O mito do amor materno


Ao contrário do que acredita o senso comum, o amor materno não é algo natural e inato à mulher.


Se assim o fosse, não veríamos bebês sendo abandonados ou desprezados como lixo, nem crianças assassinadas por suas mães ou outras formas de abandono mais sutis.


Segundo a filósofa francesa Elisabeth Badinter, que popularizou essa teoria na década de 1980 em seu livro “Um Amor Conquistado: o mito do amor materno”, essa teoria foi criada para atribuir um papel às mulheres.


A elas o papel de cuidar das crianças, dos trabalhos domésticos e do lar, e aos homens o poder e o domínio do mundo exterior. Tornando impossível estabelecer uma igualdade verdadeira entre homens e mulheres.


Por isso, se faz importante desvincular o aspecto biológico, que consiste na possibilidade de gerar e parir crianças, do aspecto psicológico, que é a possibilidade de cuidar dessas crianças.


Assim, o amor materno é, na verdade, o resultado de uma construção, da consequência do contato, da intimidade, da proximidade e da relação que será construída entre a mãe e o filho.


Logo, não há um padrão de mãe, muito menos um que seja em sua totalidade amoroso e sagrado, mas sim diversas possibilidades de mães.


Existem mães felizes e satisfeitas com a maternidade, as que estão insatisfeitas no desenvolvimento do papel maternal e há também as mulheres que não desejam ser mães.


Mães, se manifestem! A partir de que momento entendeu que amava o seu filho? Acredita que o amor é realmente inato ou foi construído ao longo da gravidez e da convivência com o bebê? Conta aí nos comentários.


E se você é um homem gay que deseja entender melhor suas dores e curar suas feridas, a minha Comunidade Gays Conscientes pode te ajudar.


Bjpro6


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo