top of page

A psicologia do KLB: ‘Vida, devolva minhas fantasias’


Tem muita gente que já tem seus 30, 40 anos e ainda está lidando com sonhos e fantasias lá da infância.


Por exemplo, você tem um pai que nunca te deu atenção, nunca quis saber, nunca brincou, nunca esteve lá. Mas, você ainda imagina que um dia o seu pai vai estar lá por você, vai te amar, vai cuidar, vai te dar atenção.


Ou você tem uma mãe que o rejeitou no instante que soube que era gay, que nunca quis dividir com você, ou apoiou os seus projetos, muito pelo contrário, gostaria que você fosse apenas o que ela queria.


Mesmo assim, você ainda fica preso na ideia de que vai ter essa mãe e esse pai presentes, e que vai conseguir restaurar esse sentimento de desamor, desamparo e rejeição que sentiu a vida inteira.


Não seja uma ‘bicha’ KLB esperando que a vida devolva as suas fantasias. Se não aconteceu na infância, não vai acontecer agora.


“E o que eu faço para cuidar desses sentimentos, Caio?” – Você vai precisar entender que como adulto você deverá renunciar aos desejos infantis e construir sua realidade a partir do que é possível, olhando pra frente.


Se você ainda está preso em desejos infantis, a terapia pode te ajudar a curar essas feridas e encontrar novos caminhos.


Se precisar de uma indicação, já sabe, né? Envia um ‘eu quero’ aí nos comentários que te indico um bom profissional da minha Clínica, que acompanho de perto e que vai te ajudar no seu processo.


Se você ainda está preso a essas fantasias infantis e precisa de ajuda para curar as suas feridas, amadurecer e seguir em frente, nós podemos te ajudar. Deixa um ‘eu quero’ aí nos comentários que te indico um bom profissional da minha Clínica pra te acompanhar nessa jornada de autoconhecimento.


Bjpro6

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

É possível parar a compulsão de uma vez?

É comum quando percebemos um comportamento compulsivo a gente querer se livrar daquele componente de uma vez só. Então, se eu me masturbo muito quero parar e nunca mais fazer. Ou se como muito doce, q

Comments


bottom of page