top of page

Você precisa estar na rua para o raio cair na sua cabeça


Ou seja, você precisa estar disponível no mundo para que algo aconteça com você. Quando falamos sobre a busca do amor, o filósofo racionalista holandês, Baruch Spinoza, vai nos trazer a ideia de afecção.


“Mas, o que é essa tal da afecção, Caio?” – É quando alguma coisa acontece no mundo, que vai causar um afeto, que vai mudar alguma coisa no indivíduo.


E essas afecções podem aumentar ou diminuir a sua potência. E não tem relação com algo ser positivo ou negativo, a mesma afecção, dependendo da situação, pode aumentar ou diminuir a sua potência.


Por exemplo: você está procurando algo no escuro e alguém acende a luz, essa afecção te deu mais potência para encontrar o objeto perdido. Por outro lado, se você estava deitado, quase dormindo e alguém acende a luz, essa mesma afecção diminuiu a sua potência, fazendo você perder o sono.


Ou, algo que parece ser triste e negativo, como o seu parceiro terminar o namoro do nada com você, pode ser uma afecção que te dê potência, por exemplo, para tirar aquele projeto que estava na gaveta, para fazer aquele mochilão pela Europa...


Quando estamos buscando o amor, Spinoza acredita que quanto mais disponível no mundo a gente estiver, mais podemos ser afetados pelas afecções que acontecem por aí.


O amor não pode ser produzido, mas o encontro sim! Spinoza fala que nós podemos estar disponíveis para que as afecções aconteçam. É mais fácil você cruzar e acabar conhecendo uma pessoa interessante andando em um parque ou dentro da sua casa?


Talvez, nenhuma afecção aconteça enquanto você estiver no parque, mas as chances de um raio cair na sua cabeça é maior se você estiver na rua!


Já tinha ouvido falar nesse conceito de afecção de Spinoza? Fez sentido para você?


Agora me conta aqui nos comentários, quão disponível você está no mundo para ser afetado por alguma afecção spinoziana?


Bjpro6


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

É possível parar a compulsão de uma vez?

É comum quando percebemos um comportamento compulsivo a gente querer se livrar daquele componente de uma vez só. Então, se eu me masturbo muito quero parar e nunca mais fazer. Ou se como muito doce, q

Comments


bottom of page