top of page

Não seja refém das faltas da infância


A gente não pode ficar esperando o abraço da mãe que não veio, o cuidado da mãe que não veio, a segurança do pai que não veio, a família que a gente não teve, os afetos que a gente não teve...


Porque se os nossos pais não deram isso pra gente na infância, dificilmente, eles vão conseguir dar agora que a gente cresceu. Mas, isso não significa que a gente deve se contentar em nunca ter isso.


Abandonar o passado tem a ver com a possibilidade de produzir o que faltou pra gente no presente. Então, se você não teve uma família afetiva, ao invés de ir pra vida amargurado e replicar isso nas suas relações, você pode entender que é possível construir diferente.


Se você não teve uma família afetuosa, você pode fazer, justamente, o oposto e construir uma família afetuosa. Se você não teve relações de cuidado lá atrás, você pode produzir relações de cuidado agora.


Você pode dar afeto e se abrir para o afeto. Você não precisa se condenar a nunca ter experiências de cuidado, de troca e de respeito, só porque não teve isso no passado.


Se o seu pai era muito duro e não te ensinou a ser compreensivo. Você pode se empenhar em aprender e ser ainda mais compreensivo e construir relações de troca. Se na sua família não existia diálogo e você não aprendeu a se abrir e conversar. Você pode tentar produzir relações que tenham muito diálogo.


Se você não teve o colo dos seus pais, você pode construir relações com o seu parceiro, com os seus amigos em que você possa ter colo. Para que você tenha chance de viver no presente aquilo que faltou na sua infância.


Talvez, você perceba que não teve isso na infância, que não consegue ter isso nas suas relações atuais e não sabe como passar a ter. Mas, você não precisa viver refém das suas faltas, você pode construir novas possibilidades de interação e de troca.


E a terapia pode te ajudar a quebrar o ciclo de repetição pra inaugurar aquilo que faltou lá atrás. Se precisar de indicação de um bom profissional pra te acompanhar nessa caminhada, deixa um “eu quero” aqui nos comentários.


Se você não consegue construir sozinho novas possibilidades de interação e de troca, saiba que você não precisa viver refém das suas faltas, a terapia pode te ajudar a romper esse ciclo e a construir caminhos com mais afeto, mais compreensão e cuidado.


Se não faz ideia de onde encontrar um bom profissional pra te ajudar nesse processo, deixa um ‘eu quero’ aqui nos comentários que eu posso te indicar um bom terapeuta, que acompanho de perto.


Bjpro6


Posts recentes

Ver tudo

É possível parar a compulsão de uma vez?

É comum quando percebemos um comportamento compulsivo a gente querer se livrar daquele componente de uma vez só. Então, se eu me masturbo muito quero parar e nunca mais fazer. Ou se como muito doce, q

Comments


bottom of page