Existe relação entre jogos violentos e massacres como o ocorrido em Suzano?



Após o massacre em uma escola da cidade de Suzano, na região metropolitana de São Paulo, que terminou em 10 mortes, uma questão voltou a tona: será que o uso de jogos violentos podem contribuir para cenas brutais como as ocorridas nesta semana?


O associação entre o crime e a pratica pode ser considerada até como senso comum, tanto que o vice-presidente da república, o general Hamilton Mourão, chegou a mencionar uso de jogos com o episódio na instituição de ensino. Um dos jovens que planejaram o ataque chegou a postar em suas redes sociais, imagens de games com teor violento.


O que dizem especialistas e estudos?


As recorrentes cenas são alvo de estudos por parte de especialistas, onde os profissionais tentam relacionar os dois pontos. O psicólogo Craig A. Anderson, de Iwoa (EUA), demonstrou em uma pesquisa que as mídias violentas, que inclui não só os vídeo games, mas a mídia televisiva, são um dos elementos que podem influenciar o aumento de casos como ocorrido em Suzano envolvendo jovens. Mas, a prática não pode ser considerado como único fator. Isolamento social, intimidação, preconceitos, entre outros se juntam e formam uma corrente com diversos elos.


Vale lembrar que milhões de usuários no mundo usam a tela e o joystick e casos como o ocorrido não são cometidos com frequência.


Já outro estudo publicado na British Medical Journal, que compõe o "UK Millennium Cohort", um relatório do Reino Unido com dez anos de duração, foi apontado que crianças são afetadas psicologicamente pelos produtos do mercado do entretenimento. Já os os vídeo games não exercem nenhum efeito negativo no comportamento da criança.


O experimento foi feito com mais de 11.000 crianças a partir dos cinco anos de idade. Os usuários participaram de testes de exposição diária a diferentes formas de conteúdos, tanto na televisão quanto nos jogos eletrônicos.

75 visualizações
  • Instagram ícone social
  • Facebook ícone social
  • YouTube ícone social

Telefone e WhatsApp:

 +55 11 98800-0655