top of page

Compulsão x Pertencimento


De modo geral, as dores primárias, aquelas que iniciam os nossos processos de sofrimento estão ligadas ao sistema de apego. Pois, nós somos biologicamente programados para sentir dor diante da rejeição social e é para evitar essa dor que nós nos mantemos juntos.


O ser humano precisa pertencer. Nós estamos programados para nos sentirmos desesperados quando há uma quebra de vínculo. “Ah, não acho Caio, eu adoro ficar sozinho!”.


Sim, você pode gostar de ficar sozinho! Mas, se não estiver pertencente você vai sintomatizar algum problema. E isso serve para todas as pessoas! Nosso cérebro primitivo é programado biologicamente e quimicamente para as relações e as interações afetivas.


Não há ser humano que não precise e que não busque relações afetivas. Enquanto a gente tem ligação afetiva a gente previne dor. Quando a gente não tem ligação afetiva o suficiente a gente entra em estado de dor.


E eu não estou falando de uma dor imagética, estou falando de uma dor real. Por isso que a pessoa que tem um ataque de pânico, por exemplo, ela sente dor no peito, ela acha que está morrendo, porque ela, realmente, tem uma dor real.


Do ponto de vista clínico o apego é a primeira dicção. Estar apaixonado é estar refém de uma grande liberação de hormônios e que deixa a gente dependente, quimicamente ligado ao outro, quimicamente viciado na presença daquela pessoa.


Por isso que, quando o relacionamento acaba, a gente sofre, a gente sente dor, sente falta da pessoa, parece que nada mais faz sentido.


Quando uma pessoa usa uma droga e tem uma grande liberação de prazer no cérebro, o prazer é o mesmo de uma relação, mas sem todos as outras interações e aprendizados que uma relação provoca. Então, aquilo se esvazia e ela precisa de mais e mais e mais...


O que excita na masturbação, por exemplo, não é a estimulação mecânica. Mas, a ligação a algum objeto afetivo. Por isso que a gente sempre pensa em alguém, em uma cena... pois, mesmo a estimulação da masturbação busca ligação e encontro. Então, muitos processos compulsivos nascem de uma falta de conexões reais.


Já tinham pensado em como nós, seres humanos, somos programados para nos relacionar, para buscar relações afetivas?


Conta aqui nos comentários se faz sentido para você? Se você também sente necessidade de pertencer.


Bjpro6

Posts recentes

Ver tudo

É possível parar a compulsão de uma vez?

É comum quando percebemos um comportamento compulsivo a gente querer se livrar daquele componente de uma vez só. Então, se eu me masturbo muito quero parar e nunca mais fazer. Ou se como muito doce, q

Comments


bottom of page