Como o preconceito aparece na vida da criança


No primeiro setênio, ou seja, no período que vai do nascimento aos 7 anos de vida, a criança é como uma esponja, que vai absorvendo todas as informações do mundo, imitando e reproduzindo o que escuta e vê.


E elas absorvem tanto os bons como os maus exemplos, entre os maus está o preconceito. Costumeiramente ele não é nomeado diretamente para a criança, mas seja por oposição ou por absorver o que acontece no ambiente a criança tem contato com ele.


Por exemplo, se a mãe fala que o magro que é bom, a criança por oposição entende que o gordo é ruim. Se o branco que é bonito, a criança entende por oposição que, então, o negro é feio.


Com a homossexualidade é a mesma coisa. Os pais não precisam dizer para a criança: “Ser gay é ruim, é feio ou errado”. Mas, se aparece um homossexual na televisão e o pai muda de canal e olha pra mãe com uma cara feia.


Ou quando um casal gay se beija na novela e o pai fala que aquilo é um absurdo. Ou quando um tio ou um amigo é mais afeminado e alguém da família faz uma piadinha ou uma careta.


Ninguém precisou dizer nada diretamente para a criança, ela está ali e está absorvendo tudo que acontece no ambiente.


Nesse momento da infância, a criança está muito aberta, recebendo todos os estímulos, e são esses estímulos sutis que vão chegando, que ajudam a construir a leitura de mundo da criança.


Você já tinha parado para pensar como o que falamos ou fazemos pode influenciar como uma criança enxerga o mundo? Ou lendo esse post lembrou de situações parecidas que presenciou na sua infância? Conta aqui nos comentários.


Bjpro6


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo