A importância de cuidar das feridas paternas

Vamos olhar para essa sujeira que está escondida embaixo do tapete?



Mesmo que a gente não goste da ideia, ou que isso nos irrite, nós homens gays temos mais em comum com os nossos pais do que imaginamos. E isso acontece porque eles são nosso modelo.


Para um pouquinho e pensa nas principais características do seu pai, sejam positivas ou negativas. Agora analisa o que você tem de igual ao seu pai e o que você é totalmente oposto dele...


Seja pelo igual ou diferente pelo oposto você deve ter concluído que tem muito em comum com ele, né? “Mas, por que saber que sou igual ao meu pai é importante, Caio? Saber isso me incomoda”.


Eu sei que é difícil, mas a ideia aqui é fazer vocês enxergarem a sujeira que foi jogada pra debaixo do tapete e limpá-la de uma vez por todas, para que vocês avancem em relação a vida de vocês.


Quando eu sou muito parecido com o meu pai e faço muita força para ignorar essa questão, isso vai para o meu inconsciente e o preço que eu pago é que isso apareça na minha vida em forma de sintomas.


E enquanto você não encarar toda a sua história com o seu pai, todas as marcas, todo o sofrimento, você vai continuar repetindo esses sintomas sem ter a chance de lutar contra eles.


No momento que você toma consciência e encara essas feridas você tem a chance de tomar as rédeas da sua vida para que ela seja sua e não uma extensão das marcas deixadas pelo seu pai.


O Freud dizia que tudo aquilo que fica recalcado, que fica inconsciente ganha poder, ganha força.


E se você acha que precisa de ajuda para cuidar dessas feridas, minha Comunidade Gays Conscientes pode ajudá-lo.



Pode ser muito difícil olhar para os nossos sofrimentos, mas é muito importante abrir essa ferida, limpá-la direitinho, para que ela possa cicatrizar e você possa inaugurar novos caminhos.


Bjpro6

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo